Exclusivo: Renata Dias Gomes fala sobre sua ida para o SBT

17-07-2009 16:57

 

Na última quinta (16), o SBT contratou mais um profissional do setor de teledramaturgia da Record: Renata Dias Gomes, neta dos saudosos autores Janete Clair e Dias Gomes. Na emissora de Edir Macedo, Renata foi colaboradora nas novelas Alta Estação (2006) e Chamas da Vida (2008).
 

O NaTelinha entrou em contato com Renata Dias Gomes, que confirmou a contratação: "Assinei com o SBT". A novelista também falou porque aceitou o convite de Silvio Santos: "Ano passado o Silvio me chamou pra conversar quando comprou as novelas da minha avó [Janete Clair]. Ele queria que fosse adaptá-las. Na época eu estava no meio da novela Chamas da Vida e considerei correto seguir com esse trabalho. Agora o Silvio voltou a me chamar para conversar. Disse que dessa vez a Iris viu meus posts no Twitter sobre a novela, achou interessante e sugeriu ao Silvio a minha contratação. Achei interessante o projeto do SBT para as novelas. A contratação do Tiago Santiago também pesou na minha decisão. O Tiago foi a pessoa que me levou para a Record. Além disso, um investimento grande como esse me faz acreditar que o projeto é sério".

Na nova casa, Renata diz: "Estou a disposição do SBT para o que eles precisarem. Tenho projetos pessoais que serão apresentados à casa na hora certa, mas acho que nesse momento o importante é ficar a disposição para ser usada de acordo com a necessidade da emissora. Tenho apenas vinte e cinco anos, estou começando a minha carreira e tenho todo tempo do mundo para emplacar projetos. No momento quero ser útil ao SBT. Se for com as minhas histórias, sensacional. Se for colaborando, também!".

Renata Dias Gomes também comentou sobre Vende-se um Véu de Noiva, original de Janete Clair que hoje é exibida pelo SBT com adaptação de Íris Abravanel: "Adoro a história de Vende-se um Véu de Noiva. Tenho um caso antigo com essa rádio novela. Há muitos anos, as novelas da minha vó vieram para a minha casa em caixas e pastas de texto. Fui eu a primeira pessoa a fazer uma arrumação desse material. Mais tarde o Marcio Tavollari passou seis meses aqui fazendo um inventário de tudo que tinha. Foi também o Márcio quem indicou o acervo ao SBT. Quando o Silvio se interessou pelo acervo da minha vó, voltei a pegar nesse material. Os papéis são antigos, bem amarelados, uma relíquia. Não podem ser manuseados o tempo inteiro. Mas a curiosidade foi mais forte e fui ler um pouco da novela. Era impossível parar! Os ganchos de um capítulos para o outro prendiam de tal forma que acabei lendo os oitenta capítulos. Não tive esse contato tão grande com toda obra (são muitas novelas), mas com o Vende-se um Véu sim. E por isso tenho um carinho enorme por essa história. Então assistir no ar é uma emoção enorme.", disse.

 

 




E completou: "A adaptação tem coisas que particularmente não gosto, faria diferente. Mas isso vai do jeito de cada autor. É como ler um livro e depois vê-lo na tela. A gente imaginou de um jeito, fica difícil aceitar a imagem pronta.


Sem dúvida a qualidade da produção é ótima. No primeiro dia me incomodou um pouco o som, mas pelo que falaram pela internet pode ter sido falha da net. Depois melhorou e não há o que reclamar da qualidade técnica. AInda não me interessei pelas tramas paralelas. Até aqui pelo menos não me prenderam. Mas me emociono quando vejo uma cena da história principal adaptada fielmente do original, sem perder a estrutura. É difícil fazer isso. Mudar o texto, atualizar sem perder o contexto e a forma de contar. Mas tem sido muito bem feito. Estou na torcida desde o início pelo sucesso. Quero ver o nome da minha vó lá em cima!
".